18
Enquanto refletia, sentia…

Primeira
Já disseram por aí, tantas coisas:
“Só se valoriza quando se perde.
As coisas simples não têm preço!
Se tem preço, não tem valor” …
Já ouvi com o coração uma vez:
“Puseram-te um preço; e conhecendo teu valor
Eu paguei…”
Eu nunca parei pra pensar, por certo,
Em tudo o que é de graça…
Naquilo que ninguém pode nos dar!
Quanta gente vemos por aí questionando
O que sempre tiveram sem esforço algum?
Assim como eu.
E se fosse a última chance?
E se fosse o último dia?
Mas nunca é….
Até que chega.

Segunda
Mas é por benefício o aquietar-me;
O permanecer em silêncio.
Faz me proveitoso o esconder,
Calar, fechar a porta atrás de mim.
Quando abro os olhos, “eu quero”,
Quando os fecho,
Me é dito o que preciso.
Por que descanso entre as portas do subterfúgio?
Suporta, resiste, aguenta…
As lagrimas tem lugar.
Sinceridade? Quero!

Terceira
Ando só, sem consentimento…
Espero de quem não pode me dar;
Sinto além dos sentidos…

Guarda dentro de ti o eu,
Este está além das aparências…

Olha pra mim; somos reincidentes,
Tantos outros passaram antes de nós…
E quem é que tem a razão?

Meus olhos estão se fechando,
Mas meu coração permanece aberto…

Uma frase solta
Eu posso me encaixar em qualquer ambiente, mas a verdade do meu coração não.

Não pude escolher.

Outras Poesias

Utilizamos cookies para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais sobre o uso de cookies, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando em nosso site, você concorda com a nossa política.