81
Sentitempos de pandemia

não sei se meu corpo me comporta
com tudo que se sucede
não sei se ele me conforta
ou me padece

se ignoro comandar a carcaça
e boto a culpa nela pelo que me masca
como se fosse um barco
sem dono, sem rumo, abandonado

e não fosse eu a responsável
por aquilo que me queima e rasga
por conduzir meus passos tortos – ou certos
ao que me interessa: fartura, restos

à promessa de um suposto conforto – que o amanhã trará
à minha fome de sei-lá-o-quê
de tudo, de nada…
(esperança, será?)

à essa pressa que dança sem hora marcada
que paira nos dias vãos
não entende nãos
totalmente desordenada.

Outras Poesias

Utilizamos cookies para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais sobre o uso de cookies, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando em nosso site, você concorda com a nossa política.