62
o olho e o olhar

Imerso nesta coletividade, me vejo cego
Cego de sentidos que me tragam algum sentido
Olhando para fora e buscando algo que não existe em lugar algum,
além de dentro.
Não preciso dizer, preciso sentir
Sentir aquele velho pulsar, que me faz novo a cada sentir
Não é com esses olhos que vou poder ver
Mas está aqui para ser visto
Aquilo que me fez ainda é a essência do que me faz
é só saber com qual olho é que devo ver.

Outras Poesias

Utilizamos cookies para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais sobre o uso de cookies, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando em nosso site, você concorda com a nossa política.