59
O AntiMenino

Em anonimato é fácil escancarar quem somos
Falar do vizinho, do colega ou do professor
Mas pensei em falar do menino que morreu esse dias aqui no bairro
Menino vivo, realmente vivia
Mesmo parado, dava pra ver que a cabeça dele voava
Esse menino que morreu, quando era vivo
Comeu um pudim lá na minha tia
Pouco se importou se era hora da sobremesa
Esses tempos esse menino contou
“Meu sonho é ser piloto de navio”

Fiquei sabendo que o menino que morreu
Morreu matado
Ele foi assassinado
Se eu te contar que foi com um tiro da
Policia, você acredita?
Eu li no jornal, sobre o menino que morreu
E falaram que não era menino, era bandido

Sabe que eu li tantas vezes essa reportagem do menino que morreu
E das pessoas falando do menino que morreu
Que eu cheguei a acreditar que era bandido mesmo?
Esse menino que morreu não é cidadão de bem
Não dá
Agora eu sou AntiMenino
É isso
Se eu ver algum menino eu sei o que vou pensar
Esse não é seu lugar, Menino
Lugar de menino é lá com o Menino que morreu

Esses dias outro menino morreu
Dessa vez foi primo meu
E nada parece mais o fim do mundo
Do que ver o menino que morreu

Eu percebi que o menino que morreu
E o outro menino que morreu
Tinham a mesma cor
E morreram com a mesma dor
Foi tiro

Outras Poesias

Utilizamos cookies para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais sobre o uso de cookies, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando em nosso site, você concorda com a nossa política.