34
oi, sou à insegurança

Energia baixa, alma triste, olhos apagados, coração confuso e aparência um mosaico da cor preta e branca. A cada dia que passa tento melhorar e me sentir bem comigo mesma, mas quanto mais eu tento mais difícil parece estar.
Me olho no espelho e muitas vezes lagrimas escorrem pelo meu rosto sem parar, soluços se manifestam, os olhos incham e impotente me torno.
Busco ocupar minha cabeça com assuntos de trabalho e faculdade, mas com a pandemia isso se tornou mais complexo e sentimento de ser insuficiente surge com mais impacto.
Ontem me peguei pensando “o que veem em mim?”, “por que não consigo ver como os outros me falam?”
Mais um dia se foi, mais uma lagrima escorreu em minha face, mais uma tristeza se manifestou, mais uma foto apagada e do meu reflexo desvio.
Minha vida familiar, amorosa aparentemente perfeita mas o que muitas vezes ganha ênfase é a insegurança… e assim …
Silencio surge, questionamentos …
Posso ser trocada a qualquer momento?
Estou incomodando?
Me tornei ladra de horas das pessoas que mais amo?
Eu amo uma grama verde à uma grama seca, eu amo uma estrela à um final de vela, eu amo uma roupa despojada à uma elegante, eu amo uma história real à fictícia…
Eu me amo? Não sei! Sei la! Talvez ! mais ou menos!

Outras Poesias

Utilizamos cookies para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais sobre o uso de cookies, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando em nosso site, você concorda com a nossa política.